Sobre Markers| Prismacolor | Chameleon | Copic



Eu sempre fui a louca da papelaria. Desde pequena adorava entrar na Papel Magia (tinha em todo shopping) e ficar horas testando as canetas diferentes que tinham por lá. Num dos meus "tours" na Papelaria Universitária, tive o meu primeiro contato com os marcadores a base de álcool, e foi justamente com as Magic Colors. E na época eu odieeeeeei muitoooo.

Por pura noobisse eu não sabia que seria melhor usar papéis de gramatura mais alta, então eu MANCHEI UM SKETCHBOOK INTEIROOOO! Foi um desastre, queria morrer. Na época minha verba de universitária não permitiu a aquisição de muitas cores, então eu só tinha roxo, rosa e vermelho. Além do desastre do sketchbook, eu fiquei um pouco irritada de as cores não corresponderem exatamente à tampa.

Depois disso, entrei em uma fase digital e desencanei completamente das canetas. Foi só no natal de 2015 que eu fui pensar nisso novamente. Estava eu matando um tempinho antes do recesso de natal na Casa do Artista pensando vagamente em comprar um sketch book novo. Dentre todas as armadilhas para artistas que havia lá dentro (pra quem não conhece, lá é a perdição de todo artista, seja rico ou pobre) me deparo com uma baciada da Prismacolor, fui lá "curiar" e me deparo com uma promoção dos marcadores a álcool da marca. Não me lembro quanto paguei em casa um, mas acabei comprando 4 cores: magenta, azul, turquesa e amarelo. As que eu comprei não tinham ponta pincel, apenas a ponta chanfrada com ponta fina.








Fundo e cabelos feita com Prismacolor, pele feita com Copic
E novamente fiquei frustrada com as canetas, o papel tinha gramatura mais alta, mas por ser rugoso (próprio para uso de lápis de cor e aquarela), o atrito da caneta no papel foi agonizante. Talvez não fosse tão ruim para outras pessoas, mas me deixou com muita agonia. Fora que achei o cheiro das canetas MUITO FORTE. Na verdade acho que as pessoas gostam de pintar com aquelas canetas porque viciam no cheiro x. Fora que elas não são recarregáveis, então se a tinta secar você tem que comprar outra T_T.

Deixei pra lá mais um pouco, e naquele ano foquei em desenhar mais com lápis de cor e aquarela.

E então na Comic Con de 2016 descobri as Chameleon Pens. Já tinha visto o vídeo de apresentação dela rodando nas redes, mas achava que não era um produto disponível em terras tupiniquins.

Chameleon Pens





  E o funcionamento delas é incrível! Você consegue fazer a gradação de cores diretamente com a caneta!

Aproveitei que elas estavam com um preço especial pra feira e comprei o kit com 5 cores, para tons florais.


Novamente fui eu usar as Chameleons no meu sketchbook da Tilibra, e mesmo com a agonia extrema, consegui elaborar um pouco mais o uso.
Desenhos feitos só com a Chameleon

Desenhos feitos só com a Chameleon
Pontos Negativos
  • A ponta pincel é muito fina, então é muito complicado preencher uma área maior no desenho
  • Chances maiores de rasgar o papel por causa da saturação de tinta
  • O esquema de clareamento por tempo também fica muito difícil de contornar em áreas maiores
  • A caneta é MUITO GRANDE, é meio inviável de carregar na bolsa
  • Ela é redonda então sai rolando na mesa e cai muito T_T

Pontos Positivos
  • Recarregável
  • Cheiro ok
  • Pontas substituíveis

Já de saco cheio da minha agonia, fui pesquisar os papéis que as outras pessoas usavam para pintar. Muitas pessoas compravam os papéis especiais para copic, mas achei que eles eram caros :/.
Então achei melhor usar o Opaline, que é um papel mais fácil de encontrar nas principais papelarias do br. No caso comprei dois blocos da gramatura de 180 na Kalunga, e paguei por volta de R$20 (50 folhas).

E desde então posso dizer que minha vida com as canetas mudou. É muito mais confortável trabalhar com os marcadores em uma folha lisa, a absorção é ótima, e o acabamento maravilhoso. Mais pra frente quero testar o opaline em uma gramatura menor.

Toda essa minha pesquisa com os papéis me fez começar a querer testar as Copics, pra ver o que elas tinham de tão interessante afinal. Fiquei meio receosa, porque elas são BEM caras. E aí fiquei pesquisando como começar de uma forma a não gastar tanto dinheiro de uma vez.

Copic Markers
ahh, olha essas cores <3br
Esse olaf sou eu *-*


Esse olaf sou eu

Eu ia começar apenas com duas canetas cinzas da linha sketch, pra ver como elas se misturavam. Mas, tive a sorte de ganhar do maridon o kit de 6 cores com as canetas cinzas, o kit com os tons de pele e as Multiliners pra fazer arte final! QUASE MORRI! Foi sem sacanagem um dos melhores presentes da minha vida. Meu aniversário é bem no natal, então ele deu um kit pra cada data. Eu amo esse homin gente <3 <3 <3


Pontos Positivos
  • Opções! A copic tem três linhas, Classic, Sketch, Ciao e Wide (já detalho elas um pouco mais aqui embaixo)
  • Muiiitas cores. A linha sketch tem 358 cores <
  • Recarregável
  • Pontas substituíveis
  • Possibilidade de criar as próprias cores
  • Cheiro bem suave que some depois de um tempo
  • Fidelidade de Cores na tampa
Pontos Negativos
  • $$$ o preço né gente
  • Elas não costumam ser fáceis de encontrar

Agora nós agora temos a sorte de ter a loja Dezaina, que entrega pro Brasil inteiro.
Pra quem mora em SP, pode encontrar as copics na liberdade. A Haikai que fica no subsolo, ao lado da perfumaria Ikesaki é a mais especializada em papelaria, então eles trabalham com copics e outras marcas. Eu sei que recentemente a Papelaria Universitária também começou a vender copics.



Dica: Se você não tem muita grana pra investir em cópics, a minha dia é ir comprando aos poucos. É um investimento que vale muito a pena quando você pensa que as canetas duram para sempre.
Eu fui comprando um pouquinho cada mês, e já comprei o refil para duas cores que recarregam até 13 vezes! (quer dizer, na sketch, nas outras a quantidade varia)
A Dezaina fez um super post explicando como funciona o refil, recomendo fortemente pra todos que tem interesse em investir nessa ferramenta.
E eu ando postando minhas experimentações da copic no Instagram
(me segue lá /o/)

Por hoje é só pessoal!

Ingrid Muniz

Formada em Design Gráfico pelo Centro Universitário Belas Artes de São Paulo. Durante o dia é diretora de arte, mas na calada da noite aventura-se na vida de ilustradora freelancer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário